Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal

 Banner com Menu - Web Part

 Editor de Conteúdo

A vacinação é um dos métodos preventivos mais eficazes para se evitar diversas doenças, mas é preciso seguir as recomendações corretamente para estar protegido. Manter as crianças com as vacinas em dia é uma importante tarefa para pais e responsáveis. No Brasil, o Ministério da Saúde oferece, gratuitamente, um grande número de vacinas contra diversas doenças graves.

Ao nascer os bebês recebem no hospital a Caderneta de Vacinação, que deverá acompanhá-los por toda a infância e adolescência. Todos devem estar atentos ao calendário básico de vacinação, levar seus filhos e estimular os parentes para serem vacinados nas idades indicadas. A recomendação é sempre levar a caderneta quando for se vacinar, assim os profissionais de saúde podem verificar as doses já aplicadas e registrar as novas vacinas. Em caso de perda da caderneta, o ideal é voltar ao posto na qual a criança foi vacinada para refazer o documento.

COMO FUNCIONAM AS VACINAS?

A vacina estimula o corpo a se defender contra os organismos (vírus e bactérias) que provocam doenças. Elas podem ser aplicadas por meio de injeção ou por via oral. Quando a pessoa é vacinada, seu corpo detecta a substância da vacina e produz uma defesa, os anticorpos. Esses anticorpos permanecem no organismo e evitam que a doença ocorra no futuro. Isso se chama imunidade.

Confira a seguir as vacinas que fazem parte do calendário de vacinação das crianças:

AO NASCER

  • BCG - Protege contra as formas mais graves de tuberculose. Deve ser aplicada o mais rápido possível, de preferência ainda na maternidade. A vacina deve ser aplicada no braço direito e a aplicação é intradérmica. A ferida que se forma é normal e esperada, podendo gerar também uma secreção parecida com pus. O objetivo é a formação de uma cicatriz e, caso não ocorra, é recomendado a aplicação de uma segunda dose após 6 meses. g  Hepatite B - Fornece proteção contra a hepatite causada pelo vírus B. É recomendado aplicar a primeira dose nas primeiras 12 horas de vida.  A vacina é aplicada no músculo da coxa direita. 

2 MESES

  • VIP (Vacina Inativada Poliomielite) - Oferece proteção contra a poliomielite, doença erradicada no Brasil desde 12 de dezembro de 1994, quando o Brasil recebeu o Certificado de Eliminação da Poliomielite. Por ser inativada, a vacina não tem como causar a doença.

É uma vacina trivalente e injetável, composta por partículas dos vírus da pólio tipos 1, 2 e 3. Desde 2016, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) adota a vacina VIP nas três primeiras doses do primeiro ano de vida (aos 2, 4 e 6 meses de idade) e a VOP (Vacina Oral Poliomielite) no reforço e campanhas anuais de vacinação.

  • Pentavalente (DTP + HB + Hib) – Protege contra difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções causadas pelo haemophilus influenzae. É uma vacina combinada do tipo injetável. A aplicação é feita em três doses: aos 2, 4 e 6 meses de idade.
  • Rotavírus - VORH (Vacina Oral de Rotavírus Humano) - Previne a criança contra o vírus que causa principalmente a gastroenterite, infecção que agride o estômago e o intestino. A vacina deve ser aplicada em duas doses em forma oral. As reações são pouco comuns. A primeira vacina deve ser aplicada aos 2 meses e a segunda aos 4 meses.
  • Pneumocócica 10 (valente) - Essa vacina protege as crianças de bactérias tipo pneumococo, que causam doenças graves como meningite, pneumonia, otite média aguda, sinusite e bacteremia. A vacina é administrada em duas doses e mais um reforço. A primeira dose é oferecida no segundo mês de vida da criança e a segunda aos quatro meses. O reforço é feito aos 12 meses. Via de aplicação: Intramuscular.

3 MESES

  • Meningocócica C - Essa vacina protege contra doenças causadas pelo meningococo C (incluindo meningite e meningococcemia). Esse tipo de meningite tem alto índice de morte, cerca de 15%, e pode trazer sequelas, entre elas a perda auditiva, retardo mental, paraplegia e tetraplegia. Via de aplicação: Intramuscular. O Programa Nacional de Imunização (PNI) disponibiliza três doses da vacina: aos 3 e 5 meses e o reforço aos 12 meses (podendo ser aplicado até os 4 anos).

4 MESES

  • VIP (vacina inativada poliomielite) - Segunda dose de três.
  • Pentavalente (DTP + HB + Hib) - Segunda dose de três.
  • Rotavírus - VORH (Vacina Oral de Rotavírus Humano) - Segunda e última dose.
  • Pneumocócica 10 (valente) - Segunda dose, de três. A próxima dose já é o reforço.

5 MESES

  • Meningocócica C -  Segunda dose das três recomendadas.

6 MESES

  • VIP (vacina inativada poliomielite) - Terceira e última dose. g  Pentavalente (DTP + HB + Hib) - Terceira e última dose.

9 MESES

  • Febre Amarela - A vacina previne contra a febre amarela, uma doença infecciosa causada por um vírus da família do Flavivírus e transmitida por meio de picadas de mosquitos. A vacina contra febre amarela é aplicada via subcutânea, na região do braço. O efeito protetor ocorre a partir do décimo dia depois de tê-la tomado. A OMS recomenda apenas a aplicação de uma dose da vacina. A vacina contra febre amarela está indicada para crianças a partir dos 9 meses de idade que residam ou que irão viajar para área endêmica.

12 MESES

  • Sarampo – Caxumba –Rubéola (SCR) - Também conhecida como a vacina tríplice viral, trata-se de uma combinação de vírus vivos atenuados contra o sarampo, a caxumba e a rubéola. Via de aplicação: Intramuscular na perna. É recomendado uma dose com 12 meses e reforço aos 15 meses (neste caso o reforço é realizado junto a vacina de varicela).
  • Pneumocócica 10 (valente) - Terceira e última dose (reforço).
  • Meningocócica C: Terceira e última dose (reforço).

15 MESES

  • Tetraviral (SCR + varicela) - Protege a criança de quatro doenças: sarampo, rubéola, caxumba e varicela (catapora). É uma vacina combinada que reúne a segunda dose das vacinas contidas na tríplice viral, mais a dose única da varicela. Via de aplicação: subcutânea.
  • VOP (Vacina Oral Poliomielite) - Oferece proteção contra a poliomielite. Trata-se das doses de reforço, administradas aos 15 meses e 4 anos. Via de administração: oral.
  • DTP (Difteria, Tétano e Coqueluche) - protege a criança de três doenças: difteria, tétano e coqueluche. É uma vacina combinada e é aplicada através de injeção, via subcutânea. É administrada em duas doses, sendo a primeira aos 15 meses e a segunda aos 4 anos.
  • Hepatite A - A vacina imuniza contra o vírus VHA, causador da hepatite. É administrada em dose única aos 15 meses de idade. Via de aplicação: intramuscular.

4 ANOS

  • VOP (Vacina Oral Poliomielite): Segunda e última dose.
  • DTP (Difteria, tétano e coqueluche): Segunda e última dose. g  Varicela - Segunda dose (reforço). A primeira dose é aplicada aos 15 meses na vacina tetraviral. A vacinação nesta faixa etária busca aumentar a proteção do grupo alvo, prevenindo a ocorrência de surtos da doença, especialmente em creches e escolas.

ANUALMENTE

  • Influenza - A vacina contra o vírus Influenza protege a criança da gripe. Trata-se de vacina inativada, portanto, não causa a doença. Indicada para todas as pessoas a partir de 6 meses de vida, principalmente aquelas com maior risco para infecções respiratórias, que podem ter complicações e a forma grave da doença. Para crianças de 6 meses a 5 anos de idade: duas doses na primeira vez em que forem vacinadas, com intervalo de um mês e revacinação anual. Via de aplicação: injeção intramuscular.

DICAS ÚTEIS

  • Preferencialmente aplicar vacinas no período da manhã;
  • Realizar compressas frias no local da aplicação se houver incômodo. Nunca utilizar compressas quentes;
  • Entre em contato com o pediatra se seu bebê apresentar: febre alta, irritação na pele, inchaço na face e garganta, dificuldade para respirar, diarreia e bebê com muito sono;
  • Fique atento com as datas para manter a caderneta de vacinas atualizada.

Núcleo de Atenção à Saúde - www.unimedfesp.coop.br - gerenciamento.saude@unimedfesp.coop.br - telefone: (11) 2146-2686.