Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal

 Banner com Menu - Web Part

 Editor de Conteúdo

​A leucemia é um tipo de câncer que acomete os leucócitos (glóbulos brancos do sangue conhecidos como células de defesa). Sua principal característica é o acúmulo de células jovens (blásticas) anormais na medula óssea, que substituem as células sanguíneas normais.

A causa da doença é desconhecida e pode progredir rapidamente depois de instalada. Portanto, o tratamento deve ser iniciado logo após o diagnóstico e a classificação da leucemia.

CLASSIFICAÇÕES
Podem ser agrupadas com base na velocidade em que a doença evolui e torna-se grave:

- Crônica: agrava-se lentamente. As células leucêmicas ainda conseguem fazer o trabalho dos glóbulos brancos normais. À medida em que aumenta a quantidade dessas células, pode ocorrer inchaço nos linfonodos (ínguas ou infecções), aumento do baço, sintomas de anemia (cansaço, tontura). Os indícios inicialmente são brandos.

- Aguda: agrava-se rapidamente. As células leucêmicas não podem fazer nenhum trabalho das células sanguíneas normais. Caracterizada pelo crescimento rápido de células imaturas, a doença agrava-se em um curto intervalo de tempo.

Podem ser agrupadas baseando-se nos tipos de glóbulos brancos que elas afetam:

- Linfoide: as que afetam as células linfoides são chamadas de linfoide, linfocítica ou linfoblástica.

- Mieloide: a leucemia que afeta as células mieloides são chamadas mieloide ou mieloblástica.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), combinando as duas classificações, existem quatro tipos mais comuns de leucemia:

- Leucemia linfoide crônica: afeta células linfoides e se desenvolve de forma lenta. A maioria das pessoas diagnosticadas com esse tipo da doença tem mais de 55 anos. Raramente afeta crianças.

- Leucemia mieloide crônica: afeta células mieloides e se desenvolve vagarosamente, a princípio. Acomete principalmente adultos.

- Leucemia linfoide aguda: afeta células linfoides e agrava-se de maneira rápida. É o tipo mais comum em crianças pequenas, mas também ocorre em adultos.

- Leucemia mieloide aguda: afeta as células mieloides e avança rapidamente. Ocorre tanto em adultos como em crianças, mas a incidência aumenta com o aumento da idade

SINTOMAS
Os principais indícios decorrem do acúmulo de células defeituosas na medula óssea, prejudicando ou impedindo a produção das células sanguíneas normais:

- Anemia;
- Palidez e cansaço;
- Fadiga constante e palpitação (coração acelerado);
- Baixa da imunidade;
- Infecções de repetição;
- Sangramento (gengiva, nariz, manchas roxas ou pontos vermelhos sob a pele);
- Gânglios linfáticos inchados, popularmente conhecido como íngua;
- Febre ou suores noturnos;
- Perda de peso sem motivo aparente;
 - Dores nos ossos e nas articulações.

DIAGNÓSTICO
Diante da suspeita de um quadro de leucemia, o paciente deverá procurar por um atendimento médico e, se necessário, será encaminhado a um hematologista para avaliação médica específica e definição do tratamento.

TRATAMENTO
Deve ser sempre conduzido pelo médico de referência e tem como objetivo destruir as células leucêmicas para que a medula óssea volte a produzir células normais.

PREVENÇÃO
Na maior parte das vezes, os pacientes que desenvolvem leucemia não apresentam nenhum fator de risco conhecido que possa ser modificado e, geralmente, a doença não pode ser evitada. A mudança de hábitos é importante, pois colabora com a saúde na totalidade:

- Não fumar;
- Utilizar equipamentos de proteção individual quando exposto aos agentes químicos, encontrados, principalmente, no ambiente ocupacional;
- Praticar atividade física, preferencialmente, 30 minutos diários;
-Consumir alimentos saudáveis (frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, utilizar menos gordura, principalmente as de origem animal);
- Diminuir o consumo de bebidas alcoólicas.
 

Bibliografia: https://www.inca.gov.br/tipos-de-can- cer/leucemia http://www.abrale.org.br/lma/sinais-e--sintomas

Núcleo de Atenção à Saúde da Unimed Fesp. E-mail: gerenciamento.saude@unimedfesp.coop.br. Artigo produzido em 27/2/2019.